• Qual a diferença entre Capoeira de Angola e Regional?Qual a melhor?

    scissors
    março 9th, 2011

    capoeira

    Muito se discute em relação as diferenças de cada um destes movimentos da capoeira. Para entender melhor o assunto é preciso remontar o passado:

    A capoeira passou a ser dividida em angola e regional a partir do momento em que sua popularização a fez agregar novos conceitos.

    Pode-se afirmar que o acontecimento que confirmou a cisão entre os estilos de capoeira foi a fundação do Centro Esportivo de Capoeira Angola, em Salvador em 1941, pelo mestre Pastinha, um dos ícones da capoeira tradicional.

    A capoeira Regional é na realidade uma evolução da Angola, onde se adicionou mais golpes voltados para o combate.

    Um dos maiores defensores da capoeira Regional foi mestre Bimba, capoeirista que ajudou na difusão desta cultura, que agora deixava de ser somente uma dança para se tornar um arte marcial cheia de golpes e acrobacias.

    Voltando a falar sobre Pastinha, ele sempre defendeu que, embora muitos considerem a Capoeira de Angola apenas uma dança, ela não fica atrás em nenhum quesito da Capoeira Regional.

    Esta luta entre estilos gera muita dúvida na cabeça dos que querem iniciar no esporte, por isto, veja algumas características de cada uma das capoeiras.

    Quais as diferenças entre a Capoeira de Angola e a Regional:

    Características da Capoeira de Angola:

    A capoeira de angola é mais lenta, tanto nos movimentos do lutador quanto nas músicas que acompanham a roda.

    Os movimentos são bem próximos ao solo. É comum a primeira vista ver o jogo de Angola como não perigoso ou não elaborado, contudo o jogo Angola se assemelha ao xadrez pela complexidade dos elementos envolvidos.

    Um jogo de Angola pode ser tão ou mais perigoso do que um jogo de Regional.

    Características da Capoeira Regional:

    De jogo mais rápido, cheio de acrobacias e movimentos de força.

    Os movimentos mais usados são saltos, acrobacias, chutes em rotação, rasteiras e cabeçadas.

    Ambos os estilos são marcados pelo uso de dissimulação e subterfúgio – a famosa mandinga – e são bastante ativos no chão, sendo frequentes as rasteiras, pontapés, chapas e cabeçadas.